Morre Gilson Cantarino, o ex-secretário de Saúde de Garotinho, Rosinha e de Niterói

Médico foi um lutador em defesa do SUS e será homenageado pelo prefeito de Niterói, que dará seu nome ao hospital municipal Oceânico

Última atualização:

Morreu ontem o médico Gilson Cantarino, ex-secretário de saúde do Estado e de Niterói.

O prefeito de Niterói, Axel Grael decretou luto oficial de três dias no município, a partir desta sexta-feira (22), em razão do falecimento do ex-secretário. Primeiro hospital do Rio de Janeiro exclusivo para atendimento à Covid-19, o Hospital Municipal Oceânico será nomeado Hospital Dr. Gilson Cantarino, em homenagem ao médico.

Em 1999 assumiu o cargo de secretário de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Foi secretário de Saúde nos governos de Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho.

Presidiu os Conselhos Estadual e Municipal de Secretários Municipais de Saúde, recebeu diversas comendas, destacando-se a do Mérito Médico da República Federativa do Brasil, a mais alta condecoração da saúde no País. Gilson Cantarino deixa esposa, filhos e netos.

Cantarino deixa um legado de luta e defesa do Sistema Único de Saúde nos âmbitos municipal e estadual. Ele também foi essencial para a criação do Programa Médico de Família em Niterói, em 1992, estratégia pioneira de saúde da família no Brasil.

Gilson Cantarino nasceu em Niterói e formou-se médico pela Universidade Federal Fluminense, na turma de 1975. Médico concursado do Ministério da Saúde e da Fundação Municipal de Saúde de Niterói, assumiu em 1984 a Secretaria Executiva do Projeto Niterói, pioneiro nas Ações Integradas de Saúde e responsável pela formulação de um novo modelo de assistência à saúde da população. Foi secretário de Saúde de Niterói de 1989 a 1999, onde foi pioneiro na implantação no Brasil do Modelo Médico de Família.