Avanço improvável da candidatura do comunista Eduardo Serra coloca em xeque resultado da pesquisa do Datafolha

Última atualização:

RICARDO BRUNO

Aguardado com expectativa pela credibilidade que encerra, o resultado da pesquisa do Datafolha não foi absorvido como plausível – menos pela posição dos primeiros colocados, mais pelo surpreendente desempenho do nome em quarto lugar. Desconhecido do eleitorado, o professor Eduard Serra, do PCB,  desponta com 5% das intenções de voto, em empate técnico com Rodrigo Neves e Anthony Garotinho nos cenários apresentados.

A surpresa põe em dúvida a correção da amostra do instituto e reduz a credibilidade do resultado de modo geral. Minutos após a divulgação dos números, políticos de todos os matizes ideológicos passaram a questionar a pesquisa a partir desse argumento.

“Acha mesmo que ex-governador Garotinho está empatado com Eduardo Serra? O  ex-prefeito Rodrigo Neves embolou com esse Serra comunista”Essas e outras indagações jocosas fizeram crescer a descrença na autenticidade dos números.

Professor da UFRJ, Serra teve 0,08% dos votos válidos na eleição para prefeito do Rio, em 2008, terminando na penúltima colocação. Em 2010, quando concorreu ao governo,  terminou em último, com 0,14% dos votos. Na própria universidade, de acordo com um professor, ele é um ilustre desconhecido. “Ninguém sabe quem é ele lá. Incrível”, comentou um colega de cátedra

 O que terá acontecido de relevante para ter sido catapultado a tão honrosa posição?, indagam os críticos do resultado, entre os quais especialistas de institutos de pesquisa. “O mais provável é que haja um erro na amostra”, acredita um estatístico de boa reputação.

Há quem veja a possibilidade de confusão entre os nomes do candidato comunista com o do ex-ministro José Serra. O diretor de um outro respeitável instituto não acredita nesta possibilidade.

-Isto é erro operacional dos entrevistadores ou na codificação dos resultados – diagnostica.

Ao lançar sua candidatura em março passado, Serra afirmou que seu nome representa uma “alternativa comunista para enfrentar os graves problemas do estado”.

Resta indagar: Parcela significativa do eleitorado fluminense se converteu tardiamente às teorias de Karl Marx?

O bom senso e os resultados obtidos pelo candidato em pleitos anteriores mostram o contrário. Houve mesmo erro. Um erro que acaba por confundir e desacreditar a pesquisa em seu todo. O Datafolha tem credibilidade por seus padrões éticos. Talvez lhe falte acuidade técnica.