Candidatura de Clarissa divide a base de Bolsonaro e abre espaço para o avanço de um nome progressista na disputa ao Senado

Última atualização:

RICARDO BRUNO

O lançamento da candidatura de Clarissa Garotinho, pelo União Brasil, movimenta as peças do tabuleiro da disputa pela vaga ao Senado, trincando a base bolsonarista, que, por falta de alternativa, seguia aparentemente com a candidatura de Romário.

O ex-craque dos gramados não tem, contudo, engajamento efetivo dos simpatizantes do presidente, que não lhe identificam credenciais para representá-los no pleito. Falta-lhe coerência na defesa de uma pauta de costumes conservadores e firmeza na apresentação de postulados caros à direita.

Romário não é nem conservador, nem de direita. É apenas um talentoso ex-atacante, oportunista em jogadas na pequena área. Na política, preservou a última característica. Viu em Bolsonaro a chance de romper o bloqueio a que estava submetido e, por este drible cheio de oportunismo,  se colocar na frente da gol para sagrar-se vitorioso com a reeleição.

 A trajetória do atual senador do PL é marcada pela habilidade nos gramados e a fama de farrista e galanteador inveterado. Não há qualquer interseção com o discurso pudico da base evangélica de Jair Bolsonaro. Por mais que se esforce, a conversão do “baixinho” ao bolsonarismo tem algo postiço, não é minimamente convincente.  

É sobre esta fragilidade do adversário que Clarissa Garotinho vai tentar avançar na construção da estratégia de campanha. Não por acaso sua primeira frase, após a confirmação da candidatura,  foi: “O Senado precisa de alguém que jogue, realmente, pelo Rio”.

 Clarissa entra em campo determinada a marcar  Romário com firmeza, sem deixar espaço para ele avançar sobre os simpatizantes de Jair Bolsonaro. Evangélica, com o sobrenome Garotinho, sonha em obter apoio mais explícito do presidente, a quem nos últimos meses passou a defender com ardor nas redes sociais.  Deve radicalizar o discurso de costumes para tentar se consolidar no meio evangélico, onde Jair Bolsonaro lidera.

Se for bem sucedida na empreitada, deve provocar estragos na candidatura de Romário, produzindo na centro-direita uma divisão assemelhada à disputa em curso na esquerda, entre o petista André Ceciliano e o pessebista Alessandro Molon.

A cisão do campo conservador pode permitir o avanço de um candidato progressista. Com Romário livre, sem qualquer marcação em seu terreno, a esquerda apresentava dificuldade em avançar. Sem adversários, o atacante ardiloso de outrora jogava parado, batendo bola nas partidas de altinho na Praia de Barra. Era suficiente para manter o nome aquecido pelo recall de sua atuação nos gramados e pelas últimas  disputas eleitorais. Agora, terá de correr em campo. E muito.

Com quatro candidatos polarizando a peleja  – dois à direita e outros dois à esquerda – a disputa da vaga ao Senado deve se estreitar a partir do efetivo apoio dos respectivos padrinhos. Se, de fato, Lula abraçar Ceciliano, como se espera, e Bolsonaro, Clarissa, como ela acredita, poderemos ter na reta final uma disputa absolutamente diferente do cenário atual detectado pelas pesquisas. O jogo está só começando.