Com nova variante, Bolsonaro discute quarentena para voos vindos da Argentina: ‘Brasil não aguenta um novo lockdown’

Diante do risco de proliferação de nova variante do coronavírus – o que tem preocupado autoridades de saúde todo o mundo –, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que conversou sobre o assunto com o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, e o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP), mas resiste a medidas urgentes que estão sendo adotadas em todo o mundo..

“Conversei com o almirante Barra, que é da Anvisa, com o Ciro, que é chefe da Casa Civil, discutimos Argentina. Quem vem da Argentina de carro para cá, sem problema. Quem vier de avião tem que ficar quatro dias de quarentena. Vou tomar medidas racionais. Carnaval, por exemplo, eu não vou”, afirmou, em entrevista, após participar de solenidade na Vila Militar.

Não ficou claro se o presidente se referiu à Argentina especificamente ou usou o país como exemplo de novas medidas para várias nações. O presidente tinha sido questionado sobre a possibilidade do fechamento da fronteira para estrangeiros, no contexto do crescimento da preocupação internacional com a nova variante de coronavírus descoberta na África do Sul.

A nova variante, detectada na África do Sul, foi batizada de omicron e preocupa os cientistas por sua capacidade de mutação. Já há casos confirmados na Bélgica, Israel, Hong Kong e Botsuana.

“Tudo pode acontecer, uma nova variante, um novo vírus. O que tem que se fazer? Se preparar. Mas o mundo, o Brasil não aguenta um novo lockdown. Vai condenar à miséria? Miséria leva à morte também. Não adianta se apavorar, é encarar a realidade”, disse.

Com informações do Valor Econômico.