CPI do MEC já tem assinaturas necessárias para ser instalada no Senado e investigar denúncias de corrupção

Milton Ribeiro e pastores, soltos pelo TRF-1, são o principal alvo

Randolfe Rodrigues

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse ter conseguido a última das 27 assinaturas necessárias para protocolar o pedido de abertura de uma CPI no Senado para investigar a atuação do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e a existência de um gabinete paralelo formado por pastores que atuariam na intermediação da liberação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). 

De acordo com o site O Antagonista, até a quarta-feira (22) o requerimento contava com a assinatura de 23 parlamentares. A prisão preventiva de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, porém, acelerou o apoio à abertura de uma CPI para apurar as denúncias de corrupção na pasta. 

“No início da tarde de ontem, o senador Eduardo Braga (MDB-AL) endossou a investigação. Pela noite, mais dois parlamentares assinaram o requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP): Soraya Thronicke (União-MS) e Rafael Tenório (MDB-AL), suplente de Renan Calheiros (MDB-AL). Faltava apenas uma assinatura, que foi confirmada há pouco: a do senador Giordano (MDB-SP), parlamentar que assumiu o lugar de Major Olímpio, falecido no ano passado vítima de Covid”, destaca a reportagem.

O senador Randolfe Rodrigues anunciou, para a tarde desta quinta-feira uma entrevista coletiva para detalhar o pedido e os objetivos da CPI. Apesar disso, a abertura da CPI depende de uma decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). A base bolsonarista também deverá pressionar para que a investigação não seja iniciada.