Doria desabafa suas mágoas e diz que foi vítima da vingança de Aécio Neves

Última atualização:

Em desabafo a aliados nos últimos dias, João Doria (PSDB) listou possíveis arrependimentos que acumulou nos últimos meses em seu objetivo de concorrer à Presidência da República em 2022, do qual desistiu ontem (23). Um deles, segundo o ex-governador, teria sido a permanência no PSDB.

Doria diz ter sido traído pelas lideranças do partido que aceitaram fazer um processo de prévias e depois, pressionadas por grupo liderado por Aécio Neves (MG), decidiram buscar alternativas ao que havia sido combinado. O ex-governador venceu as prévias no final do ano passado.

Segundo aliados de Doria, ele ficou particularmente incomodado com o fato de que sua desistência esteja relacionada a uma vitória de Aécio, seu antagonista no partido.

No começo de 2021, o então governador de São Paulo organizou uma ofensiva para expulsar o deputado mineiro do PSDB. Aécio conseguiu se segurar no partido e, agora, na leitura de Doria e seus aliados, consegue sua vingança.

Doria também se queixou de Bruno Araújo, presidente do PSDB, que ocupou a posição de coordenador da campanha do ex-governador, mas aproximou-se do grupo que estava contra a candidatura dele e passou a articular contrariamente, na visão do tucano.

Em seu discurso, Doria disse que se retira da disputa “com o coração ferido, mas com a alma leve”. Araújo posicionou-se atrás do ex-governador durante o pronunciamento.

“Saio com sentimento de gratidão e a certeza de que tudo o que fiz foi em benefício de um ideal coletivo, em favor dos paulistanos, dos paulistas e dos brasileiros”, disse.

“Hoje, serenamente, entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB. Aceito esta realidade com a cabeça erguida. Sou um homem que respeita o bom senso, o diálogo e o equilíbrio. Sempre busquei e seguirei buscando o consenso, mesmo que ele seja contrário à minha vontade pessoal. O PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano”, afirmou. ​

O texto de despedida lido por Doria foi escrito a diversas mãos no final de semana. Um dos que mais contribuíram com a redação foi seu irmão, Raul. Foi dele a deia de incluir no final um poema atribuído a Cora Coralina.