Em novo ato para tentar culpar governadores pelos preços altos, Bolsonaro vai ao STF contra política do ICMS do diesel pelos Estados

Ação assinada por Jair Bolsonaro e pelo advogado-geral da União, Bruno Bianco, foi protocolada após novo aumento do diesel de 8,87% pela Petrobrás

Em nova tentativa de culpar os governadores pelos altos preços do diesel nos postos de combustíveis, e se eximir de responsabilidade pela política dolarizada dos preços da Petrobras, verdadeira causa dos valores abusivos o governo federal entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender os efeitos de uma norma dos Estados que passou a regular neste ano a tributação do ICMS que incide sobre o óleo diesel, em meio a críticas do presidente Jair Bolsonaro aos governadores quanto à política de arrecadação desse tributo estadual.

No processo, o Executivo pede que o Supremo conceda uma liminar para suspender os efeitos de cláusulas de um convênio do Comitê de Política Fazendária (Confaz), que definiu as alíquotas do ICMS que cada Estado e o Distrito Federal podem praticar.

O convênio do Confaz foi realizado após a aprovação da lei 192/22, em março, e na prática não implementou a monofasia completa com alíquota única e uniforme, conforme era prerrogativa da legislação, que poderia ter um efeito de amenizar os valores do diesel, segundo o governo.

O governo argumentou na ação – apresentada na noite de quinta-feira e que ainda não tem relator sorteado – que o convênio Confaz contemplou “uma maneira inovadora de diferenciação de alíquotas de um mesmo produto” entre os entes regionais, permitindo que na prática cada Estado pratique sua própria política para o imposto.

“A forte assimetria das alíquotas de ICMS enseja problemas que vão muito além da integridade do federalismo fiscal brasileiro, onerando sobretudo o consumidor final, que acaba penalizado com o alto custo gerado por alíquotas excessivas para combustíveis –que são insumos essenciais, e, por isso, deveriam ser tratados com modicidade– e com a dificuldade no entendimento da composição do preço final desses produtos”, disse ação, assinada por Bolsonaro e pelo advogado-geral da União, Bruno Bianco.

A ação foi protocolada após novo aumento do diesel de 8,87% pela Petrobrás nesta semana, que já impactou os valores nas bombas.