Marina desiste de perder eleição à presidência, mas não deixará de concorrer a algum cargo eletivo

Última atualização:

Os eleitores não deverão ter Marina Silva (Rede) em 2022 entre os candidatos a presidente. Dirigentes do partido da ex-senadora afirmam que ela não pretende se candidatar mais ao Palácio do Planalto.

Segundo aliados, a decisão foi da própria Marina, que não teria desejo de enfrentar novamente uma disputa presidencial. A ex-senadora concorreu ao Planalto nas três últimos eleições em 2010, 2014 e 2018, quando terminou em oitavo lugar, com 1% dos votos válidos.

Isso não quer dizer, porém, que Marina não terá seu nome na urna. A ex-senadora avalia concorrer a uma vaga de senadora ou deputada federal pelo Distrito Federal, onde mora. A Rede quer Marina como uma espécie de “puxadora de votos” para auxiliar a sigla a vencer a cláusula de barreira.

A legenda tem apenas uma deputada federal: Joenia Wapichana (Rede-RR). No Senado, por sua vez, possui dois representantes Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Fabiano Comparato (Rede-ES). Ambos têm mandato garantido até fevereiro de 2027.

Diferente de outros anos, quando começou a procurar participar do debate público a um ano das eleições, Marina tem evitado exposição em 2021.

A ex-senadora não tem dado entrevistas, limitando-se a opinar sobre temas da atualidade através das redes sociais.