Presidente argentino quer Lula presidente e revela que Bolsonaro pediu ajuda para libertar Añez, o que ele recusou

EM PRIMEIRO PLANO, O LULISTA ALBERTO FERNÁNDEZ
Última atualização:

Em entrevista ao canal C5N, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, falou sobre as eleições no Brasil neste ano. Ele defendia a unidade da América Latina quando um repórter perguntou se, para isso, falta  Lula.

Fernández começou respondendo que havia falado sobre o tema em uma reunião com sindicalistas. E disse:

– Pouco a pouco as coisas vão se arrumando, (Gabriel) Boric no Chile está fazendo um esforço, o Lucho (Luis) Arce na Bolívia, (Pedro) Castillo no Peru, (Gustavo) Petro na Colômbia, e Lula, finalmente, que eu desejo que ganhe em Brasil. Assim poderemos ter uma lógica de unidade conceitual na América do Sul – disse ele.

Alberto Fernández revelou que Jair Bolsonaro (PL) o procurou para pedir ajuda para tentar convencer as autoridades da Bolívia a enviar Jeanine Áñez ao Brasil como uma exilada.

Um jornalista perguntou porque Bolsonaro havia se aproximado dele. A resposta foi a seguinte:

“Eu posso contar, porque ele (Bolsonaro) tornou público: ele me pediu para interceder junto à Bolívia para que a (Jeanine) Áñez fosse exilada para o Brasil. Eu disse que não poderia fazer nada disso, lamentavelmente e graças a Deus, eu não quero fazer nada disso, acredito que a Bolívia deu um exemplo a todo mundo, que foi julgar um golpe (de Estado) com tribunal ordinário, com juízes naturais.”

(A golpista boliviana já declarou via redes sociais que não aceita a oferta de Bolsonaro porque não deseja sair do país]

Áñez está presa em em La Paz desde março de 2021. Ela foi condenada em 10 de maio.

Bolsonaro declarou no domingo que faria o possível para a vinda de Áñez ao Brasil.  

O ministro de Relações Exteriores boliviano, Rogelio Mayta, reagiu na terça-feira. Ele afirmou o seguinte: “Lamentamos as infelizes declarações, que são absolutamente impertinentes; fazem uma inapropriada ingerência em assuntos internos”.