PT do Rio cansou de cobrar e dá ultimato ao PSB: ou apoia apenas Ceciliano ao Senado ou a aliança está rompida

Presidente do partido de Lula no estado é taxativo: se pessebistas não cumprirem o pacto que foi firmado, não haverá mais compromisso com candidatura de Freixo ao governo

O C ANDIDATO AO SENADO DA ALIANÇA É CECILIANO, E APENAS CECILIANO
Última atualização:

O presidente do PT-RJ, João Maurício, deu nesta sexta-feita um ultimato ao PSB. Ou o partido retira imediatamente a candidatura de Alessandro Molon ao Senado, cumprindo o acordo firmado entre as direções nacionais das siglas, ou estará rompida a aliança de apoio a Marcelo Freixo.

– Os compromissos firmados precisam ser cumpridos, caso contrário nos sentiremos liberados para deixar a aliança com Freixo. Não há caminho intermediário. Ou estaremos  juntos com reciprocidade, ou não estaremos juntos – afirmou João Maurício.

O ultimato decorre a decisão do TSE de autorizar candidaturas avulsas dentro de uma mesma coligação para governador, recurso que o PSB pretenderia usar..  

Na avaliação do PT, o que deve ser respeitado neste momento é o compromisso político entre as duas legendas e não simplesmente a observação da flexibilização das regras eleitorais. 

Em estrito respeito ao entendimento,  o PT lançou a candidatura de André Ceciliano ao Senado em aliança com o pessebista Marcelo Freixo para o governo. Na contramão, o PSB insiste em ocupar as duas posições na chapa majoritária, não retirando o nome de Molon e colocando em risco a unidade das esquerdas no Rio.