TV Globo demite José Hamilton Ribeiro, príncipe dos repórteres e jornalista do século

Também foi dispensado Eduardo Faustini, considerado o maior produtor da história do Fantástico

O MAIOR JORNALISTA BRASILEIRO NÃO SERVE MAIS PARA A GLOBO
Última atualização:

A onda de demissões de jornalistas da Globo atingiu agora dois gênios da profissão. As demissões desta semana são José Hamilton Ribeiro e Eduardo Faustini (conhecido pela alcunha de “repórter secreto” do ‘Fantástico’).

Faustini é considerado por todos os profissionais, mesmo os concorrentes, como o maior produtor da história da TV Globo. Com 15 anos de empresa, chamou a atenção por nunca mostrar o seu rosto. Feito que fez a equipe do ‘Fantástico’ usar o apelido “repórter secreto”. Com a imagem preservada, o profissional produziu diversos projetos investigativos para a revista eletrônica da emissora.

José Hamilton Ribeiro é um dos jornalistas mais premiados do Brasil. Foi agraciado 7 vezes com o Prêmio Esso, e recebeu o Prêmio Especial de Imprensa ONU, Organização das Nações Unidas, em comemoração aos 60 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. José Hamilton já foi chamado de Príncipe dos Repórteres e de Repórter do Século, e é admirado por seu talento, dignidade, dedicação, e por seus textos irretocáveis.
Zé Hamilton, como é mais conhecido, começou a trabalhar em 1956 na Rádio Bandeirantes. Mais tarde foi para o jornal Folha de São Paulo e, de 1966 até 1973, na revista Realidade, da qual foi um dos criadores. Ficou famoso pela cobertura da guerra do Vietnã, onde foi atingido pela explosão de uma mina terrestre. Aos 80 anos, é repórter especial da TV Globo, com atuação nos programas Globo Repórter e Globo Rural.

Autor de quinze livros derivados de suas reportagens, sendo o primeiro, “O Gosto da Guerra”, em função da reportagem sobre a Guerra do Vietnã, que fez para a revista a maior revista de reportagens da história do país, a Realidade, em 968, ocasião em que perdeu uma perna ao pisar numa mina terrestre.

Entre as redações por onde passou, estão as das revistas Realidade e Quatro Rodas, do jornal Folha de S. Paulo e dos programas Globo Repórter, Fantástico e Globo Rural, de onde era repórter e editor até ser demitido, esta semana.

Com 52 anos de profissão, José Hamilton Ribeiro iniciou a carreira na Rádio Bandeirantes, em São Paulo, de onde logo partiu para o jornalismo impresso, ao qual se dedicou por 25 anos. Nos outros 25 se dedicou projetos da Rede Globo, particularmente no Globo Rural, onde chamou atenção pelo estilo suave, generoso e compassivo com os camponeses e produtores rurais que entrevistava.

Defensor da formação formal de para jornalistas, sempre prega que o jornalismo é uma profissão que se aprende, pois exige técnicas e convém estar preparado. Foi por isso que, ao ser convidado para ser patrono do Prêmio ABAG/RP de Jornalismo, aceitou de pronto. Ele se encantou com a proposta de proporcionar aos estudantes a oportunidade de vivenciar o agronegócio, um setor moderno, inovador e que preserva suas raízes.

Os atuais comandantes do jornalismo da Rede Globo de Televisão chegaram à conclusão que profissionais brilhantes como José Hamilton Ribeiro e Eduardo Faustini, por sua idade, não têm conhecimento, sabedoria e experiência a oferecer aos jovens repórteres, produtores e editores da emissora. Sua experiêcia e sua memória não têm valor. Na verdade, os comamdamtes da Globo não aprenderam nada com eles.