Bacellar, além dos limites

Última atualização:

Ricardo Bruno

A disputa política em Campos dos Goytacazes sempre foi renhida, pontuada historicamente por ataques e acusações, várias vezes em tom bem acima do aceitável. A guerra entre os Garotinho e os Bacellar faz parte deste beligerante  cenário de disputa entre grupos políticos da cidade.

 Nos últimos anos, ambos os lados têm se mostrado irascíveis, passionais e distantes do equilíbrio recomendado a padrões de convivência civilizados.  Neste fim de semana, contudo, o embate transbordou o terreno político para invadir o inviolável direito à preservação da integridade moral das famílias dos contendores. Coube ao deputado Rodrigo Bacellar romper os limites do confronto político para enveredar por ataques pérfidos à honra alheia.

O gesto foi repelido unanimemente pela classe política fluminense, até mesmo por adversários do clã Garotinho. Por várias razões:  primeiro, porque revidou em um integrante da família, personagem lateral da disputa política, e não em seus desafetos originais. Para agravar ainda mais a situação, escolheu como alvo uma mulher, assacando de modo irresponsável e desleal contra sua honra.

  Ao ultrapassar os limites toleráveis na disputa política, onde a rigidez de princípios nem sempre se faz presente, Bacellar abandonou as regras informais de tolerância firmadas tacitamente nas disputas de poder ao longo do tempo. Desrespeitou o código de ética não escrito mas vigente até mesmo em ambientes pantanosos – como na peleja política.

Se até aqui não se sabia exatamente de que lado estava a razão nesta rixa paroquial campista, agora a dúvida deixou de existir. Bacellar foi além dos limites.