A pesquisa do Ibope, a estatística e a margem de erro em 3%

* Paulo Baía

O Ibope divulgou ontem, dia 09/11, sua última pesquisa de percepção eleitoral para a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro.

O cenário é estatisticamente semelhante ao da pesquisa anterior, principalmente com essa margem de erro indecente de 3%.

Todos os Institutos se protegeram de críticas dos leitores com essa variança de 6 pontos percentuais.

Nesse espaço de probabilidades tudo pode acontecer, afinal quem tem 0% de preferência pode, em tese, chegar a 3%.

Mas a matemática é sábia e semelhança não é igualdade.
A pesquisa é muito rica na indicação de diferenças e hierarquias.

É um erro de enunciado dizer que Marcelo Crivella com 15%, Martha Rocha com 14% e Benedita da Silva com 9% “estão tecnicamente empatados”, não estão.

Marcelo Crivella está em segundo lugar inamovível, podendo ganhar de um a dois pontos em uma futura pesquisa do Ibope com o mesmo método ao longo dessa semana.

Martha Rocha está com 14% rigorosamente parada em todas as faixas e segmentos da amostra de eleitores entrevistados. Está abaixo de Crivella, a seu favor uma irrisória rejeição de 11% contra 58% de Crivella e 28% de Benedita da Silva e Eduardo Paes.

Benedita da Silva, que fez a melhor campanha eleitoral de 2020 na cidade do Rio de Janeiro, é premiada com o reconhecimento de 9% do eleitorado. Não está empatada com Martha Rocha, está 5 pontos percentuais abaixo de Martha Rocha, que possui 14%.

O Ibope do dia 09/11 indica com objetividade que existe uma hierarquia nas principais candidaturas.

Eduardo Paes em primeiro lugar, Marcelo Crivella em segundo lugar, Martha Rocha em terceiro lugar, Benedita da Silva em quarto lugar, Luiz Lima em quinto lugar, Renata Souza em sexto lugar, Bandeira de Mello em sétimo lugar.

Nenhuma das candidaturas apresentam um viés de alta por essa pesquisa.

Pelo Ibope teremos no dia 15/11 Eduardo Paes em primeiro e Crivella em segundo.

* Sociólogo e cientista político em 10/11/2020.