Em entrevista ao Jogo do Poder, Eduardo Paes revela: “Estarei a favor de Lula”

Última atualização:

ATUALIZAÇÃO: A declaração de Eduardo Paes ao programa Jogo do Poder, que vai ao ar domingo, merece ser explicada. Ele disse que o seu candidato à eleição presidencial, por óbvio, é o representante do seu partido, que pode vir a ser o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Paes fará o que estiver ao seu alcance por seu candidato e isto nem esteve em discussão. No entanto, se no afunilamento da eleição vier a acontecer um confronto entre Bolsonaro e Lula, hipótese apontada por todas as atuais pesquisas, Paes afirmou, claramente, que vai optar pelo candidato do PT.

RICARDO BRUNO

Se a disputa pela sucessão presidencial continuar polarizada, como se prenuncia, o candidato do PT terá um forte aliado no Rio. O prefeito Eduardo Paes não hesita entre Lula e Bolsonaro. Fica com o ex-presidente.

Por enquanto, ele ainda está preso ao compromisso institucional de apoio ao nome do PSD, possivelmente o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. O discurso da terceira via ainda faz sentido e, em respeito aos protocolos de prudência política, Eduardo Paes o adota com o formalismo de um obediente quadro partidário.

– Mas se a polarização persistir?

– Neste caso, não tenho dúvida: estarei a favor de Lula – antecipa, convicto.

Atualização O prefeito Eduardo Paes em mensagem à Agenda do Poder afirmou nesta sexta-feira que seu compromisso é com a candidatura de seu partido à presidência da República. O PSD deve lançar o nome do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

Em entrevista ao Jogo do Poder que vai ar no próximo domingo, Paes reafirmou a disposição de lançar a candidatura do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz ao Governo do Rio. Acredita que se obtiver o apoio do PT – neste caso, anteciparia a declaração de apoio a Lula – Santa Cruz teria enorme chance de vencer a disputa.

Sobre Cláudio Castro sobraram elogios – ‘tenho uma relação fraternal com ele, é um amigo – mas ainda faltam razões políticas a autorizar um eventual apoio. O grau de proximidade do governador com Jair Bolsonaro vai determinar a decisão do prefeito. “Quem sabe, se ele se distanciar de Bolsonaro”, admitiu.

O pré-candidato do PSB, Marcelo Freixo, também recebeu afagos. A trajetória política incólume do neossocialista foi reconhecida; Paes é grato por ter recebido o apoio –  um tanto velado  – de Freixo em 2018 e  em 2020; elogiou seus movimentos em direção ao centro. Mas ainda enxerga dificuldades para se apresentar ao seu lado durante o pleito. Percebe-se, nas entrelinhas da entrevista, a convicção de que eleitorado de ambos é absolutamente distinto, o que configuraria impedimento para uma aliança pública.

Freixo é um fofo, mas o PSD terá candidato, justifica com humor

Ao comentar a utilização dos recursos da Cedae – a prefeitura vai receber cerca de $ 5,2 bilhões – o prefeito rendeu homenagens ao colega Washington Reis, de Duque de Caxias. Foi dele a iniciativa de fazer incluir em ata a repartição igualitária dos valores de ágio do leilão.

Sou fã do meu senador Washington. Ele garantiu recursos pra todo mundo. Fez aquele juiz 171 (Wilson Witzel) incluir este compromisso em ata.

Durante a conversa, da qual participou também a jornalista Daniella Sholl, Paes fez revelações históricas.  Disse que efetivamente convidara o jornalista Fernando Gabeira para ser seu vice nas últimas eleições. E mais: para convencê-lo, comprometeu-se a deixá-lo administrar o Rio por dois anos, pois, neste caso, renunciaria para disputar o Governo do Estado em 2022. A despeito da promessa, Gabeira recusou.

– Falta confiança no atual vice, Nilton Caldeira, para não admitir a possibilidade, agora?

– Não, não é isto. Se Gabeira aceitasse, nós iríamos anunciar isso na campanha. É diferente – retrucou

O prefeito admitiu ter sido açodado ao anunciar o relaxamento das restrições; fez mea culpa pelo pecadilho decorrente do excesso de otimismo. “Sou sempre muito otimista. Mas não fui compreendido”.

Ele criticou o Governo Federal pelas falhas da distribuição das vacinas, o que levou a interrupção da imunização por falta de doses nesta semana. Discorreu sobre a negociações para a retomada das obras do corredor Transbrasil. Prometeu recuperar as estações do BRT até setembro para, em janeiro, promover nova licitação para a operação.

Eduardo Paes falou ainda sobre a recuperação do Centro; o enfrentamento das milícias e sobre a situação financeira da prefeitura.

O Jogo do Poder vai ao ar, neste domingo, às 22h30m, pela Rede CNT de Televisão.

ATUALIZAÇÃO

O prefeito Eduardo Paes esclareceu que hoje defende a candidatura de seu partido, o PSD, à presidência da República. O nome possivelmente será o do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.