JOGO DURO. Em Barcelona, Cláudio Castro cobra investimentos da Naturgy e afasta a possibilidade de antecipar a renovação da outorga

“Não há a menor chance de se considerar qualquer análise deste tema  antecipadamente”, afirmou o governador

Última atualização:

RICARDO BRUNO

A conversa do governador Cláudio Castro com a diretoria da Naturgy, em Barcelona, na Espanha, não foi exclusivamente protocolar, com o formalismo das visitas de cortesia. Houve cobranças duras em relação ao não cumprimento de investimentos contratuais por parte da concessionária, responsável pela distribuição do gás no estado.

Em dado momento, os dirigentes da Naturgy sugeriram cumprir as obrigações desde que tivessem garantia antecipada de renovação da outorga, prevista para 2026. A proposta desagradou ao governador que, com firmeza, rechaçou qualquer possibilidade de sequer analisar a possibilidade. “Não há a menor chance de se considerar qualquer análise deste tema  antecipadamente”, descartou Cláudio Castro, que reiterou a necessidade de a empresa cumprir suas obrigações contratuais com o Governo do Rio.

A Naturgy não tem cumprido com rigor a contrapartida contratual de investimentos. Tanto que a Agenersa, agência estatal responsável pela fiscalização das concessões, determinou redução de tarifa como instrumento de reequilíbrio contratual por conta de ter-se verificado um déficit de investimentos da ordem de R$ 1 bilhão.

Na reunião, Cláudio Castro e o secretário Chefe da Casa Civil, Nicola Miccione, se dispuseram a formar um grupo de trabalho para estudar e checar os números, que, segundo a empresa, não procedem.

Miccione afirmou aos empresários que os investimentos a serem feitos antes da renovação da outorga serão compensados pelo novo concessionário a partir de 2026 ou pela própria Naturgy, ao longo do contrato de renovação, caso isto venha a ocorrer.

– A conversa foi dura mas o resultado foi bom – resumiu Miccione

A propósito, a outorga da distribuição de gás no Estado do Rio é algo entre dois e três bilhões.