Fabiano e Waguinho firmam pacto para ampliar o palanque de Lula no Rio

Última atualização:

RICARDO BRUNO

A reunião, na última sexta-feira, entre os prefeitos Waguinho (Belford Roxo) e Fabiano Horta (Maricá) produziu resultados que ultrapassam as fronteiras da troca de experiências administrativas. Os dois alcaides mais bem votados no Brasil em 2020 firmaram  um  alvissareiro pacto político em torno da ideia de expandir o palanque do ex-presidente Lula no Rio em 2022.

Presidente regional do futuro União Brasil, Waguinho terá a tarefa de ampliar os apoios pela centro-direita, em movimento sincronizado com Fabiano, cuja atuação ficará centrada na centro-esquerda.

Inusitado pela combinação de personalidades políticas de matizes ideológicos diferentes, o acordo Waguinho/Fabiano expressa no Rio de Janeiro a amplitude das alianças que se pretende construir no campo democrático para garantir a vitória de Lula no Brasil. Uma frente muito mais ampla e efetiva do que outras alianças exclusivamente à esquerda, que seriam restritivas, pois identificadas com pautas identitárias de pequenos nichos ideológicos.

Juntos, Waguinho e Fabiano podem ser decisivos também para definição da sucessão estadual no Rio.

Na avaliação do vice-presidente nacional do PT, Washington Quaquá, esse perfil de aliança vai permitir a Lula disputar os 70% dos eleitores que rejeitam Jair Bolsonaro.

– A movimentação da política de alianças ganha importância, quando é inusitada e fura as bolhas. Lula precisa ter disputar 70% dos votos no Rio e isolar Bolsonaro em seus 25 a 30. Separados Fabiano e Waguinho são fortes. Juntos são a força – resumiu