Maricá é a primeira cidade do Rio a vacinar crianças contra a covid-19

A pequena Sofia da Silva (Yva Mirim), de 8 anos, foi a primeira criança a receber o imunizante.

Última atualização:

Primeira cidade do Estado do Rio de Janeiro a iniciar a vacinação infantil contra a Covid-19, Maricá realizou nesta sexta-feira (14/01) a aplicação das doses pediátricas em dez crianças indígenas de 5 a 11 anos, na aldeia Mata Verde Bonita, em São José do Imbassaí.
As primeiras doses chegaram sob o canto de gratidão e celebração dos povos indígenas. A pequena Sofia da Silva (Yva Mirim), de 8 anos, foi a primeira criança a receber o imunizante.  
A líder da aldeia Cacique Jurema, que acompanhou de perto o momento, disse que fez questão de estimular a adesão à vacinação aos responsáveis pelas crianças da comunidade.  
“Assim que me ligaram da Secretaria de Saúde dizendo que seriamos a primeira aldeia a receber a vacinação das crianças,   foi uma grande alegria. Encorajo nossos parentes indígenas porque vacina é para nossa segurança e das nossas crianças”, destacou.
A vacinação das crianças indígenas será concluída neste sábado (15/01), quando as doses também chegarão a aldeia Sítio do Céu, em Itaipuaçu.
Vacinação prioritária
Também neste sábado (15/01), o município inicia a imunização  das crianças de 5 a 11 anos com comorbidades ou deficiência permanente, na sede do Serviço de Atendimento de Reabilitação Especial de Maricá (SAREM), das 9h às 13h.
A vacinação continuará de segunda (17/01) a sexta-feira (21/01) para as crianças deste grupo prioritário, entre 9h e 16h, igualmente no SAREM. As crianças com dificuldades de locomoção severa poderão receber a vacinação em casa, agendando na sua Unidade de Saúde (USF) de referência.
A secretaria municipal de Saúde, Solange Oliveira, lembrou que a vacina é segura, eficaz, e importante para romper a cadeia de transmissão do vírus:
“O país está em um processo atrasado de contemplar crianças de 5 a 11 anos com a vacinação, e essa faixa etária se tornou um elo na cadeia de transmissão do vírus durante as festas de fim de ano. Nosso objetivo em Maricá é interromper logo esse elo. Hoje começamos a vacinar crianças indígenas na aldeia onde temos mais de 40 famílias, e onde houve casos de crianças contaminadas ao longo da pandemia. Precisamos proteger essa população mais vulnerável. E, na sequência, vamos vacinar crianças portadoras de deficiência e com comorbidades. Até chegar a todo o público infantil previsto”, concluiu a secretaria.